fbpx

paratleta joão bezerra

 

A natação é protagonista na mudança de vida do paratleta João Bezerra. Foi na piscina que esse jovem de Rio Branco do Sul (PR) conheceu a força que o surpreendeu. Nem ele sabia que encontraria tanta determinação em si mesmo. 

João é daquelas pessoas que inspiram porque faz das alternativas um caminho possível. Continue a leitura para entender o que de fato isso significa.

Conversamos com João sobre o grave acidente que o fez perder a perna, sobre seu começo como paratleta, anticapacitismo e conquistas. Confira!

 

O acidente 

 

Quando tinha 15 anos, João Bezerra foi atropelado por um motorista alcoolizado, que fugiu sem prestar socorro. João teve fratura exposta e chegou em estado muito grave no hospital. “Fiquei sete dias em coma, fiz seis cirurgias de amputamento na perna direita, uma cirurgia plástica e, depois de 24 dias internado, voltei para casa”, relata.

O retorno foi doloroso e confuso para um adolescente inquieto. Com o psicológico abalado, João teve muitas dúvidas sobre seu futuro, mas conta que a equipe do hospital o presenteou com um livro que despertou outra perspectiva.

“Era a biografia do Lars Grael (velejador que perdeu a perna em um acidente no mar) e ele dizia ‘Deus ajuda quem se ajuda’. Isso fez entender que a minha nova vida só dependia de mim”, diz. 

 

O paratleta João Bezerra 

 

Enfermeiros e psicólogos que acompanhavam João em sua recuperação, o incentivavam a praticar atividade física. “Meu professor de Educação Física também insistia muito e um dia me levou para conhecer a equipe paralímpica da PUC PR. Eu me impressionei com a autonomia daquelas pessoas, que não dependiam de ninguém para entrar na piscina e nadar”, relembra João. 

E foi assim o primeiro contato dele com o universo que escolheu trilhar. “Na natação eu me senti completo. Não tenho uma perna, mas a deficiência não faz a menor diferença. O esporte desafia a gente a chegar do outro lado”, completa. 

 

Contra o capacitismo

 

O paratleta João Bezerra desconstruiu conceitos limitantes e afirma: “Estava na minha cabeça. A limitação está na cabeça de cada um. Eu ando a cavalo, faço trilha e conquisto medalhas”. 

Ele destaca a importância de lutar contra o capacitismo vivenciado no dia a dia. “As pessoas ainda veem o esporte paralímpico como reabilitação e não é nada disso. Somos atletas profissionais. A gente escolheu se dedicar e, se não se esforçar, não tem evolução. Somos cobrados igualmente aos atletas sem deficiência”, diz.

 

paratleta João Bezerra

 

Foco nas conquistas 

 

A primeira competição do paratleta João Bezerra foi em 2016, um ano após o acidente. Logo, ele participou de disputas regionais e em 2018, ingressou em competições nacionais e internacionais.

“Fui para Alemanha e Inglaterra. Graças ao apoio do PR Grupo Paraná e de outras empresas, fui o único atletas das Américas a competir na Europa em 2020, o primeiro ano da pandemia de COVID-19”, ressalta. 

Uma lesão no ombro afastou João das disputas por quatro meses, mas ele se dedica diariamente para alcançar grandes objetivos. Até o final de 2022, quer brigar pelo pódio em três competições. “Em 2023, meu foco é nos Jogos Pan-Americanos, em Santiago, Chile. E em 2024, quero realizar o sonho de estar nas Paralimpíadas de Paris”. 

 

Patrocínio 

 

Desde 2020, o PR Grupo Paraná apoia o paratleta João Bezerra. O incentivo viabiliza a alimentação, o transporte, viagens e o trabalho da equipe multidisciplinar que o acompanha. 

“O patrocínio é o que faz o esporte acontecer”, diz João.  

Newsletter

Receba todas as nossas novidades!